Início

Monitorização e educação ambiental

O Projeto PEIXES NATIVOS foi lançado em novembro de 2017 e resulta de uma parceria entre o ISPA - Instituto Universitário e a Águas do Tejo Atlântico, S.A.

 

O principal objetivo deste Projeto é monitorizar anualmente, na época de seca estival, espécies ameaçadas de peixes de água doce autóctones em rios intermitentes do centro do país. A ausência de séries temporais de dados, fundamentais para uma correta avaliação do estado das populações e absolutamente necessárias para a implementação da Estratégia Nacional para a Adaptação às Alterações Climáticas, é uma lacuna evidente no contexto da gestão e conservação da ictiofauna de água doce nativa que o Projeto Peixes Nativos pretende ajudar a colmatar.

 

Paralelamente às monitorizações científicas, serão realizadas ações de sensibilização ambiental dirigidas a crianças das escolas de 1º ciclo dos concelhos ribeirinhos. Este projeto terá o apoio institucional do MARE-ISPA, do Instituto para a Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e do Aquário Vasco da Gama, e será implementado em municípios aderentes que designarão as escolas participantes na vertente pedagógica do projeto.

[ clique nos logotipos para saber mais ]

Objetivos do projeto

 

I. Monitorização científica das espécies ameaçadas de peixes ciprinídeos nativos, em época estival.

II. Sensibilização da comunidade escolar e seu envolvimento nas ações de monitorização.

MISSÃO CIENTÍFICA

 

Gerar séries temporais de dados sobre o estado das populações ameaçadas de peixes nativos que permitam priorizar a implementação de ações de gestão e conservação eficazes

MISSÃO EDUCATIVA

 

Promover a curiosidade científica | estimular o espírito crítico e a aplicação do raciocínio lógico-dedutivo | despertar interesse pela conservação do meio natural | reconhecer o impacto das atividades humanas | promover mudança de atitudes para minimização dos impactos negativos

Funcionamento

Estabelecimento de uma rede de monitorização do estado da ictiofauna nativa no pico de seca estival

Monitorização anual de 3 estações a selecionar em cada curso de água, com recurso a pesca elétrica, para avaliação da densidade populacional e frequência relativa das classes de tamanho das espécies nativas de peixes ciprinídeos e levantamento do estado dos habitats fluviais

Criação de uma rede de “Municípios aderentes” que selecionarão as “Escolas aderentes” participantes nas ações de monitorização e sensibilização ambiental a realizar nos rios do concelho.

Apoios:

A fundação Mohamed bin Zayed atribuiu um prémio com vista à conservação do Ruivaco-do-Oeste (Achondrostoma occidentale).

Coordenação Científica

Carla Sousa Santos

Investigadora do MARE-ISPA. Doutorada em Biologia pela Universidade de Lisboa. Desenvolve o seu trabalho de investigação na área da Genética aplicada à Conservação, Filogenia e Filogeografia de peixes de água doce desde 2002. Faz parte da equipa responsável pelo Projeto de Conservação ex situ de peixes ameaçados e é uma das autoras do primeiro Atlas Genético Nacional dos peixes ciprinídeos nativos de Portugal. Membro da “IUCN Species Survival Commission”, “IUCN Freshwater Fish Specialist Group” e do grupo de trabalho Biodiversidade para a elaboração da Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020), enquanto especialista em peixes de água doce.

Membros da equipa

 

Investigadores MARE-ISPA:

Ana Pereira

André Levy

Frederico Almada

Joana Robalo

Sara Francisco

 

Técnicos de Investigação MARE-ISPA:

Cristina Lima

Pedro Coelho

 

Responsável Educação Ambiental Águas do Tejo Atlântico:

Sara Duarte

 

Responsável reprodução ex-situ no Aquário Vasco da Gama:

Fátima Gil

 

Pelo Centro de Investigação do ISPA:

Beatriz Garcia Fernandez

Teresa Jesus

 

Design logotipo:

Ricardo Romão (Gabinete de Marketing e Comunicação do ISPA)

 

peixesnativos@gmail.com

 

 

Rua Jardim do Tabaco 34

1149-041 Lisboa

 

Tel: 21 88 11 700